José Carlos Peres - Foto: Ivan Storti/Santos FC

O Santos tenta uma vaga nas semifinais do Campeonato Paulista contra a Ponte Preta, nesta quinta-feira, às 21h30, na Vila Belmiro. Mas se no campo as possibilidades de o Peixe avançar são boas, fora dele nada vai bem, especialmente em relação à gestão de José Carlos Peres.

O Conselho Fiscal do clube manteve parecer favorável à reprovação das contas de 2019 do atual presidente. O órgão responde ao Comitê de Gestão (CG) e aponta uma “confissão” de Peres.

Segundo o CF, o presidente admitiu o uso indevido do cartão corporativo, “bem como a negligência com as pendências de ressarcimento dos valores”.

O fato fere o Estatuto Social em mais de um artigo e pode configurar impeachment e até expulsão do quadro de sócios.

O CF indicou R$ 28.761,65 de gastos por motivação pessoal e sem reembolso. Peres declarou, em inúmeras oportunidades, que utilizou o dinheiro para reuniões ou necessidades do escritório do clube em São Paulo.

Escritório de advocacia

Outro ponto destacado pelo conselho é o uso de escritório de advocacia contratado pelo clube para defender Pedro Doria, integrante do Comitê de Gestão, e também da filha de Peres.

As denúncias foram encaminhas ao Comitê de Inquérito e Sindicância. Se o órgão acatar as infrações, o processo de impeachment e até expulsão de José Carlos Peres e membros do CG podem ser votados no Conselho Deliberativo.

Com informações da Gazeta Press