Reprodução

Rompido com Jair Bolsonaro desde novembro de 2019, o PSL, partido pelo qual o presidente foi eleito em 2018, já sinaliza que pode até mesmo vir a apoiar o ex-presidente Lula, caso sua candidatura se confirme, na eleição de 2022. Ao menos é essa a avaliação da deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP), que se irritou após uma declaração do presidente da sigla em SP, o deputado Júnior Bozzella, à coluna do jornal Estadão desta terça-feira (27).

“Às vezes você precisa de um Bolsonaro para reconhecer a excelência de um Temer e nos fazer refletir que, talvez, o Lula não tenha sido tão ruim assim”, disparou Bozella.

A declaração fez Janaina Paschoal, uma das autoras da peça que deu origem ao processo de impeachment contra Dilma Rousseff (PT), vir à público expor uma conversa que teve com Bozella. “Ontem, fiz uma reunião com o Deputado Bozzella, Presidente Estadual do PSL, e pedi para ser avisada logo, caso o partido considere apoiar o Lulismo”, escreveu a deputada em suas redes sociais.

“Entrei em um Partido de Direita, que já virou Centro. Também já disse ao Presidente Bivar que nem amarrada voto no PT!”, completou Janaina, junto a uma imagem que mostra a declaração de Bozzella sinalizando apoio a Lula.

O deputado estadual Emídio de Souza (PT-SP), ao comentar a declaração de Bozzella e a reação de Janaina, disse que é “melhor” que a deputada, de fato, não vote no PT. “Deputada, com o seu portfólio, melhor não votar mesmo no PT: incentivo a cesárea, preconceito contra pessoas LGBTQIA+, fura-fila da vacina e apoio ao genocida. Nem amarrado o PT apoiaria essas suas pautas”, escreveu o petista.