Foto: Reprodução/Twitter Jair Bolsonaro

Jair Bolsonaro recebeu alta hospitalar na manhã desta quarta-feira (5). Por meio de suas redes, o mandatário comemorou a saída do hospital.

“Alta agora. Obrigado a todos. Tudo posso NAQUELE QUE ME FORTALECE”, escreveu Bolsonaro no Twitter.

Bolsonaro estava internado desde segunda-feira (3) no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, por conta de um quadro de obstrução intestinal.

A internação interrompeu suas férias, fato muito criticado, pois, enquanto realizava passeios de jet ski, o estado da Bahia sofria com uma tragédia causada pelas fortes chuvas.

Ele deixou Santa Cataria na madrugada desta segunda-feira (3) e confirmou que chegou ao hospital em São Paulo por volta das 3h. “Comecei a passar mal após o almoço de domingo”, tuitou o presidente.

Bolsonaro faz uso político de sua internação

Na manhã de terça-feira (4), o presidente usou o TikTok, rede onde tem pouco mais de 347 mil seguidores, para divulgar uma imagem sendo examinado pelo médico-cirurgião Antônio Luiz Macedo, que chegou de madrugada das Bahamas, para dar o diagnóstico.

Na publicação, Bolsonaro colocou como trilha a música Faith (Fé), de KAlil, e marcou as hashtags #fe #faith #jesus.

Macedo, que acompanha Bolsonaro desde o episódio da facada e já realizou seis intervenções cirúrgicas no presidente, constatou que a obstrução no intestino foi desfeita e, por enquanto, descartou nova cirurgia.

Bolsonaro publicou em suas redes sociais a já conhecida imagem na maca do hospital, com sonda nasogástrica e cara abatida. Bem distante da euforia demonstrada nas férias no litoral paulista e catarinense.

Diferentemente do que publicou no Twitter, no Facebook o presidente fez questão de dizer que a internação e os sintomas são “consequência da facada (06/set/18) e 4 grandes cirurgias”.

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).