UTI com pacientes de Covid-19 - Foto: Governo do Ceará

Em publicação nas redes sociais, na manhã desta quinta-feira (3), Jair Bolsonaro afirmou que estuda um rebaixamento para endemia no quadro pandêmico do coronavírus no Brasil.

A informação foi divulgada com uma foto em que o presidente posa ao lado do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

O deputado federal e médico sanitarista Alexandre Padilha (PT-SP) declarou à Fórum que a decisão do governo de mudar o status da Covid-19 de pandemia para endemia é “absurda e irresponsável”.

“Essa é mais uma pedalada sanitária absurda e irresponsável do governo Bolsonaro. Além de ser um malabarismo técnico, porque não é possível ter uma mesma doença numa situação de pandemia e endemia em um país isolado, já que a pandemia é algo declarado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a partir da transmissão que ocorre em vários continentes, inclusive onde está o Brasil”, critica Padilha.

Para o parlamentar, na decisão do governo de mudar o status da Covid-19 está inserido o desejo da gestão de Bolsonaro de desmontar todas as políticas de combate ao coronavírus.

“Incutido nisso está o estímulo ao desmonte de medidas de restrição, está o estímulo à aglomeração, à defesa do uso de máscara. E o fato de estar num estado de pandemia mobiliza recursos, mobiliza ações e a disposição do governo é desmontá-los em um momento em que o Brasil ainda não atingiu uma cobertura vacinal desejável, segundo recomendação da OMS”, diz Padilha.

Além disso, o médico destaca o fato de que o Brasil ainda não passou pelo inverno e que a decisão do governo Bolsonaro pode levar à uma crise no sistema de saúde, pois pode haver o encontro de várias doenças comuns no período mais frio.

“O Brasil tem o sistema de saúde pressionado pela Covid-19 e outras doenças e o país ainda passou pelo inverno, quando aumentam as infecções respiratórias, as internações, aí nós podemos ter uma combinação gravíssima de aumento de internações por doenças respiratórias, doenças crônicas e aumento de internações pela Covid-19”, alerta o deputado.

Ausência de justificativa epidemiológica

À Fórum, o médico infectologista Marcos Caseiro afirma que essa atitude do governo Bolsonaro, de mudar o estado de pandemia para endemia, revela que a gestão federal não entende de epidemiologia.

“Falar de mudança de pandemia para endemia mostra que o governo continua equivocado e sem o menor entendimento do que significa epidemiologia. Quer dizer, eles estão mudando a epidemiologia. Como uma doença que está matando centenas de pessoas por dia pode ser trazida para o estado de endemia?”, questiona Caseiro.

“Então, nós vamos partir do pressuposto de que a partir de agora morrer 600, 800 pessoas por dia passa a ser normal? A definição de endemia é um número esperado para um determinado período. Se ele decreta que estamos numa endemia é que nós estamos tranquilos com centenas de mortes diárias”, critica o médico.

Por fim, Marcos Caseiro afirma que ainda não há nada que justifique a mudança de pandemia para endemia. 

“O governo federal foi totalmente incompetente em todas as etapas da pandemia. Não fez absolutamente nada certo. Não há nenhuma fundamentação em termos epidemiológicos para mudar o status. Mas, esses caras inventam, eles possuem ‘novas explicações’, eles querem reinventar a roda e o mundo”, finaliza Caseiro.

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).