Ministro Marcos Pontes - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), o astronauta Marcos Pontes, declarou em evento na manhã desta quarta-feira (28) que os dados da Plataforma Lattes “têm backup”.

“Não houve prejuízo de nenhum dado. Todos os dados, no Lattes, por exemplo, que reúne informações de cientistas e pesquisadores, estão preservados. Tem backup”, afirmou o ministro.

Em seguida, ele afirmou que a situação “é como furar um pneu, não dá pra prever. Simplesmente acontece. Não há sistema infalível e o pessoal (pesquisadores) não vai morrer por causa disso”.

A Plataforma Lattes está fora do ar há cinco dias e o deputado federal Marcos Rogério (PT-MG) protocolou junto à Comissão de Educação da Câmara, nesta terça-feira (27), um requerimento solicitando que o ministro da Ciência explique o “apagão” nos dados.

Deputada neonazista

Por conta da queda do sistema da Plataforma Lattes, o ministro Marcos Pontes passou a ser questionado sobre o seu encontro com deputada alemã Beatrix von Storch, que é do partido neonazista AfD.

Pois, a reunião com a deputada alemã Beatrix acontceu no mesmo dia em que a Plataforma Lattes caiu e a agenda do ministro passou a ser questionada.

“Eu recebi uma ligação da deputada Bia Kicis (PSL-DF), me dizendo que tinha uma deputada alemã aqui no Brasil e que o irmão dela é astronauta e que ela queria tirar uma foto comigo”, explica o ministro.

Segundo Marcos Pontes, eles conversaram sobre energia sustentável e que ele desconhecia o partido de Beatrix.

“Eu a recebi para tirar foto porque o irmão dela era supostamente astronauta, falamos sobre energia… essa é a história da tal deputada do partido neonazista”, disse Pontes.

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).